Peregrinar neste blogue

2006-03-10

Nunca sabemos o que fazer


Que fazer?
Se a felicidade nos bate à porta
não a reconhecemos e mandamo-la embora.
Lamentamos a pouca sorte
de não sermos felizes.
Se a deixamos entrar,
não sabemos lidar com ela,
e deixamo-la fugir.
Se a deixamos entrar e a queremos muito,
a felicidade entra pela mão de alguém especial,
e nós não nos sentimos felizes,
somos amados e mas não amamos.
Se a deixamos entrar e a queremos muito,
a felicidade entra pela mão de alguém,
que não é tão especial assim,
e nós sentimos felizes e desgraçados,
pois amamos e não somos amados.
Às vezes amamos e somos amados
e não aproveitamos os momentos de ternura,
magia e sonho,
pois estamos ocupados com dúvidas e incertezas,
deturpamos as palavras, corroemos de ciúme
e matamos a felicidade.
Que fazer?
Por mais atentos e alertas que estejamos,
por mais pacientes e tolerantes nos tornemos,
por mais carinhosos e apaixonados sejamos,
nunca sabemos o que fazer!

9 comentários:

Alien David Sousa disse...

Se felicidade me batesse à porta eu diria-lhe que a minha era a porta errada. Nunca tive sorte. ;)

≈♥ Nadir ♥≈ disse...

O amor... uma complexidade simples, na arte de amar...

Bjx e bom fim de semana

TMara disse...

pois é...Há quem de nós escolha de tudo se apartar e perder. Outras vezes estamos tão distraídos k o fazemos nºão o querendo fazer.
O ego é uma coisa boa nesta dimensão mas temos k ser mtº vigilantes senão atraiçoa-nos.
Bjs e ;)

Zecatelhado disse...

Que fazer?... Saber esperar o momento certo; há sempre um.

Um @bração do
Zecatelhado

Dad disse...

Sortudos daqueles que percebem quando é a felicidade que bate à porta, pois só o sábio a reconhece...ela vem quase sempre mascarada e só os puros de coração conseguem ver que aquela sombra indistinta, tão diferente dos sonhos que alimentámos, é a nossa felicidade.

Beijinhos e votos de que a reconheças quando a encontrares!

I N T E I R O S disse...

As palhas ao abrigo de ilhargas, aspirava-se calorífico com equivalente solução de chocalho aproveitando maravilhas deitadinho! Era então a singular de luz do Gonçalo-mamário com grande semelhança.

Raquel V. disse...

Somos terríveis... bem verdade... nunca sabemos o que queremos, não simplificamos...

Vera Cymbron disse...

O que fazemos...deixamos as coisas acontecerem e não entramos em stresses com muita antecedência.
Jinhos

Isa&Luis disse...

Bom dia,
Entrei no vosso cantinho pela mão da Kalinka.

Gostei do que li, encontrei uma torrente de sentimentos.

"A felicidade é feita de momentos"

Um dia delicioso

Beijinhos

Isa