Peregrinar neste blogue

2007-02-27

O Camelo e o Jardim

Hoje recebi um e-mail que dizia mais ou menos isto:
Diz o filho camelo para a mãe camelo
- Mãe!
- Sim filho, diz lá?
- Porqué é que temos 2 bossas?
- Para conseguirmos armazenar agua para enfrentarmos a vastidão do deserto
- Ahh! E porque é que somos castanho - claros?
- É para aguentarmos melhor o calor do deserto
- Hum... E porque é que temos pestanas tão grandes?
- É para nos protegerem das tempestades de areia do deserto...
- Então se estamos tão bem protegidos para o deserto, porque é que estamos no Jardim Zoológico?

Esta historia faz pensar nas competências que são adquiridas ao longo da vida e que, por vezes, são sub-aproveitadas.... A questão que se coloca é a seguinte: o que é que está errado aqui? São as competências que se foram adquirindo e que servem somente de enriquecimento pessoal, ou é quem as adquiriu que não se consegue colocar numa posição em que essas mesmas competências tragam valor acrescentado à empresa? Ainda se consegue colocar uma terceira hipótese: Será que a escolha que se fez das competências a desenvolver foi a mais acertada?

Uma coisa é certa: se ninguém se esforçar por semear uma sementinha de mudança, o mais certo é que tudo o que fez até essa data só sirva para ficar a decorar uma parede esquecida de um qualquer escritório, mas ao semear um cantinho por mais pequenino que seja do seu quintal, com o passar do tempo e à medida que as plantas forem crescendo, quem passa pela rua repara no verde, no amarelo e no vermelho que substituiram um cinzento obscurescido pelo tempo....

O e-mail termina assim:
"Ama o teu trabalho mas nunca te apaixones pela tua empresa, porque nunca sabes quano vai deixar de gostar de ti"

Frásia 07/02/27

7 comentários:

Dilbert disse...

Olá Frásia, benvinda :)
Bem... fenomenal este Post :)
O sumo extraído não poderia ter sido de melhor fruto... este fica para reflectir.
Jokinhas grandes "pra tu", sorrisinho lindo :)

david santos disse...

Olá!
Tudo bem.
Obrigado

Amor Eterno disse...

A vєrđαđєirα fσrçα ηãσ έ α đσ мαr
   єηfµrєciđσ qµє tµđσ αrrєbєηtα,
    мαs siм α đσ rσchєđσ iмóvєl
      qµє α tµđσ rєsistє
      
        βєijiηhσs ♥

Beatriz disse...

Fabuloso,
Gostei especialmente da lição:
"Uma coisa é certa: se ninguém se esforçar por semear uma sementinha de mudança, o mais certo é que tudo o que fez até essa data só sirva para ficar a decorar uma parede esquecida de um qualquer escritório, mas ao semear um cantinho por mais pequenino que seja do seu quintal, com o passar do tempo e à medida que as plantas forem crescendo, quem passa pela rua repara no verde, no amarelo e no vermelho que substituiram um cinzento obscurecido pelo tempo...."
Quem és tu Frásia e por onde tens escrito ?
Bjs

Tulipa Negra disse...

Pois é, quanto mais me aproximo do fim do curso mais confusa ando. Quantas vezes não me ponho a pensar na terceira hipótese: Será que a escolha que fiz das competências a desenvolver foi a mais acertada?
Logo verei.
Gostei deste Post, divertido e interessante ao mesmo tempo.
Beijos

o alquimista disse...

As pessoas tal como os camelos às vezes usam roupajens que não lhes servem para nada, estavamos a falar de camelos?


Doce beijo minha amiga

Pepe Luigi disse...

Não há dúvida! A eterna questão de avaliação de competências.
Também estou de acordo. Por mais que amemos Futebol; escritório; ateliêr; etc.etc., casamento só e somente com a nossa mulher ou marido, depende dos casos.
Gostei muito desta tua descrição.

Um beijinho
do Pepe.